sábado, 13 de novembro de 2010

Branca, como a clara das neves.

Mais uma vez estava branca e sem sinal para começar. Olhou em volta e procurou inspiração, mesmo onde ela parecia não existir. Apertou a cabeça, esventrou a letargia e cansou-se. Cansou-se de esperar, de olhar em volta, de iniciar a viagem. Cansou-se de colidir com o vazio. Cansou-se de bater sempre às mesmas portas. Pedia-se um choque frontal, que acabasse com o gerúndio dos dias, com esse mundo de dias cozidos uns aos outros. Com uma teia de neurónios urbanos enganados que viajam em piloto-automático.

1 comentário:

Mãe da Teresa disse...

http://www.youtube.com/watch?v=dTOYnXPt_aE