domingo, 9 de janeiro de 2011

Não

Não, hoje é dia não. Não que me queixe do dia. Não que o odeie. Não que ele me odeie a mim. Não que o tempo esteja mau. Não que tudo sejam rosas. Não que tenha apostado tudo no preto e tenha saído o vermelho. Não que me odeie a mim próprio. Não que odeie os outros. Não que os outros me odeiem. Não que haja piores notícias que ontem. Não que haja melhores. Não que me esteja a apetecer partir ao meio palavras que recebi. Não que me apeteça o contrário. Não que o livro entreaberto me desperte para algo novo. Não que o novo me esteja a invadir como antes de ontem à tarde. Não que o resto que falta do domingo seja menos igual aos outros restos de domingo. Não que seja diferente. Não que tenha descoberto algo que já sabia há ‘nãos’ dias. Não que isso me tenha surpreendido. Não que tenha ficado ofendido com isso. Não que a sabedoria me tenha batido à porta e pedido para ficar. Não que se tenha ido embora sem bater. Não que o branco me traga mais experiência. Não que o tenha tentado pintar de outra cor. Não, não. Não que não tenha vontade de olhar, fechar os olhos, voltar a olhar e soltar um grito que se prende à garganta há meses a fio. Não que ele não venha mesmo lá do fundo. Não que não lhe vá dar tempo de antena algum destes dias. E posso crer, que não digo que não.

2 comentários:

éroc disse...

não digo que não gosto disto.

Mãe da Teresa disse...

http://www.youtube.com/watch?v=us9dIcLjfKM&feature=BFa&list=ALHTd1VmZQRNotGbwXQAbvddXORIOvlaUy